29 de ago de 2012

Dia Nacional de Combate ao Fumo

Hoje, 29 de agosto, é celebrado o Dia Nacional de Combate ao Fumo. Nos últimos anos, viemos conseguindo avanços notáveis no combate ao tabagismo. Dados do Instituto Nacional do Câncer mostram que em vinte anos o número de fumantes no Brasil diminuiu bastante, de 34% para pouco mais de 15%.
Avançamos muito, graças às campanhas de conscientização, cada vez mais constantes e, também, ao endurecimento da legislação, que hoje reprime o fumo em recintos fechados.
A indústria do tabaco, no entanto, se esmera na busca de brechas para conquistar público: são cigarros com aroma de frutas, mentolados, com canela. O alvo principal são as crianças e adolescentes.
Os fabricantes continuam a lucrar. Uma das maiores empresas do setor anunciou lucro de mais de um bilhão de reais no ano passado. Isso significa que ainda há espaço para diminuir ainda mais a quantidade de fumantes.
A família precisa ser diligente e mostrar desde cedo, assim como faz com outras drogas, que o cigarro é perigoso, mata e só traz sofrimento, tanto para quem é usuário como para as pessoas próximas.
Outra solução bastante eficaz passa pela prevenção no ambiente escolar. É preciso acabar com a falsa ideia de que cigarro e álcool não são drogas. De fato são, mesmo que legais. Mas a hipocrisia vem matando milhares de pessoas no país todos os anos, e temos que tomar alguma atitude mais enérgica no sentido de proteger nossas crianças.
Gostaria que a prevenção à doença renal crônica merecesse a mesma atenção dispensada ao combate do tabagismo por parte da sociedade, já que o cigarro é um dos fatores que prejudicam o bom funcionamento dos rins.

Meus parabéns a todos os que conseguiram abandonar o vício do cigarro. Sei muito bem como é difícil tomar essa decisão, mas, acredite, é a melhor escolha.
Por fim, quero saudar a decisão do Tribunal Regional do Trabalho da Primeira Região, que proibiu o uso de chips nos jalecos dos profissionais de saúde da UPA de Mesquita. A Justiça entendeu que a instalação desses dispositivos viola a dignidade profissional do trabalhador, havendo risco de dano moral aos médicos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário