27 de jul de 2012

Pescadores querem justiça. Baías pedem socorro


Na próxima quarta-feira, às 10 horas, a Comissão Especial de Acompanhamento da Pesca no Rio de Janeiro, da qual sou presidente, promove audiência pública no Plenário da Câmara do Rio para debater ações que preservem a pesca artesanal na cidade.

Participam da audiência o presidente da Associação dos Homens do Mar da Baía de Guanabra (Ahomar), Alexandre Anderson, a presidente da Comissão de Direitos Humanos da OAB, Maria Margarida Pressburger, e vereadores integrantes da Comissão Especial.

Dados da Federação dos Pescadores do Rio de Janeiro divulgados em 2010 informam que há 80 mil trabalhadores da pesca em 26 colônias no estado do Rio de Janeiro. Eles vêm sofrendo com a pressão de grupos empresariais e com a crescente degradação do ambiente.

Nessa reunião, pretendo também cobrar das autoridades o andamento da investigação da morte dos pescadores Almir Nogueira de Amorim, de 45 anos, e João Luiz Nunes Penetra, de 40 anos, assassinados em 22 de junho – Amorim, na Praia de Mauá, em Magé; Penetra, próximo ao Gradim, em São Gonçalo.

Em 19 de janeiro de 2010 outro pescador, Márcio Amaro, foi morto a tiros na porta de casa. Em 22 de maio de 2009 Paulo César Souza morreu a tiros na Praia de Mauá, em Magé. Até agora não descobriram os autores dos crimes.

Os pescadores afirmam que a morte dos colegas está ligada a milicianos que trabalham para grandes empresas instaladas no entorno da Baía de Guanabara, que poluem e interferem na vida dos profissionais da pesca, destruindo o ecossistema da região.

Foram convidados também a chefe de Polícia Civil, a delegada Marta Rocha, um representante do Ministério Público Federal, Lauro Coelho Jr., a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, o diretor da APA de Guapimirim, Breno Herrera, um representante da Fiocruz, Alexandre Pessoa, entre outras autoridades.

Aguardamos a participação de cerca de 200 pescadores e seus familiares, vindos das colônias de pesca do estado do Rio de Janeiro. E você também está convidado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário