8 de fev de 2012

Preocupação do comando na Tijuca e adjacências com a paralisação da polícia

Na manhã de terça, 7 de fevereiro, durante a reunião do Conselho Comunitário de Segurança da 6ª AISP -  Tijuca, realizada na sede do Banco do Brasil, Rua Barão de São Francisco, 177, Vila Isabel, o comandante do 6º Batalhão da Polícia Militar, Coronel Márcio Rocha, manifestou sua preocupação com o estado de greve que se abateria sobre o Rio, no decorrer da semana. Não deixou de alertar os presentes sobre a necessidade de estarem atentos aos fatos, pois seriam aproximadamente 40 mil homens motivados e dispostos a lutar por melhores salários.

O Comandante declarou ainda que, constitucionalmente, ao servidor militar não é permitido fazer greve e que já havia conversado com seus soldados na tentativa de sensibilizá-los sobre as consequências dessa opção.

Foram também apresentadas pelo Tenente Saldanha as últimas estatísticas criminais da grande Tijuca, onde pode-se observar uma queda constante dos delitos nos últimos meses, comparados com o mesmo período do ano anterior. O fato permite que aquele batalhão cumpra as metas estabelecidas pela Secretaria Estadual de Segurança e busque melhorá-las, possibilitando a implantação do projeto de uma polícia cidadã nas ruas.

Apesar da manifestada preocupação do Comandante Márcio, os representantes da sociedade presentes se mostraram solidários à causa dos militares por melhores vencimentos.

Presente à reunião, o Vereador Dr. Edison da Creatinina, como costuma reforçar, convocou os cidadãos a comparecerem ao vivo na Câmara Municipal, exigindo dos legisladores que façam leis relevantes em benefício da vida da cidade.


Nenhum comentário:

Postar um comentário