9 de dez de 2011

Ciclo de Palestras na Câmara Municipal do Rio aborda tema da Rio + 20

Dando continuidade ao Ciclo de Palestras “Compartilhando Ideias”, promovido pelo gabinete do Vereador Dr. Edison da Creatinina, a noite de quinta, 8/12, foi reservada à apresentação de Carlos Henrique Rodrigues Alves (Painel) sobre a Rio+20, a Conferência Mundial de Meio Ambiente da Organização das Nações Unidas, ONU, que será realizada em junho do próximo ano na Cidade. O título da apresentação: “Rumo à Rio+20: Visão Geral e Questões de Destaque”.

“Painel” apresentou um histórico das conferências ambientais a partir da Eco-92, também chamada oficialmente de Rio-92, explicando que é uma política da ONU homenagear os eventos com o nome das cidades que os sediam, destacando, como curiosidade, que na Noruega, onde aconteceu a primeira conferência sobre o tema, eles se referem ao evento da Rio+20 como Rio+40, já que o histórico ambiental naquele país é bem mais antigo, data de 1972, e deu origem a um importante relatório, quando começaram a se delinear discussões sobre o tema desenvolvimento sustentável.

Foi comentada a formação da Comissão Especial para acompanhamento da Rio+20 na Câmara do Rio, criada e presidida pelo Vereador Dr. Edison da Creatinina, que trouxe para o âmbito municipal a discussão sobre a inserção do tema na vida da Cidade. A comissão tem importância fundamental e propõe a interlocução com as duas grandes vertentes da conferência, a oficial, ao buscar acompanhar aspectos como infraestrutura, organização, dinâmicas oficiais, e a paralela, que é da sociedade civil, buscando ser o apoio para a sua estruturação no Rio. Considerou também de extrema importância que essa Comissão seja novamente instalada na próxima legislatura, com os mesmos objetivos.

Para Carlos Henrique “Painel”, a sociedade mundial vive uma crise maior que a econômica, que é a crise moral. Ele citou o fato de que, quando um banco entra em falência, os países europeus se unem para salvá-lo, mas a fome e as doenças, que matam milhões de pessoas na África e em outras partes do mundo, e que já são históricas, não demandam esforços em igual proporção para receberem ajuda.

As crises econômico-financeiras americana e européia podem provocar um esvaziamento das atenções na conferência Rio +20, na opinião de “Painel”, que também as considerou como provável causa do insucesso da Conferência do Clima, agora terminando em Durban, África do Sul, quando potências mundiais declinam de investir recursos para financiar as questões de meio ambiente. Ainda segundo o palestrante, o governo brasileiro chegou a mudar a data da realização da conferência no próximo ano para não coincidir com o aniversário da Rainha da Inglaterra e suas comemorações, assim como outros eventos oficiais nos países asiáticos, impedindo o comparecimento desses chefes de estado. A aposta, conclui "Painel", é na sociedade civil, que, com seu fórum paralelo, já denominado de Cúpula dos Povos, poderá fazer a diferença na Rio + 20.

Nenhum comentário:

Postar um comentário