3 de out de 2012

Sobre a ética na política



A palavra ética vem do grego ethos, que significa modo de ser, ou caráter. Ética é um conjunto de conhecimentos a partir da investigação do comportamento humano, e busca explicar as regras morais de forma racional. É uma reflexão sobre a moral.
Essa é a definição que os dicionários dão para a palavra ética. Nós, vereadores eleitos pela população, temos o dever de tornar essa palavra tão importante, embora tão desgastada, uma prática diária em nossa atividade legislativa e em nossas ações externas.
Ter caráter e manter a palavra são pré-requisitos para a vida de qualquer pessoa de bem. Hoje, políticos que integraram o primeiro escalão do governo Lula, como José Dirceu, Delúbio Soares e o ex-presidente do PT, José Genoíno, começam a ser julgados no processo do Mensalão, em Brasília.
São acusados de corrupção ativa por comprar apoio de parlamentares ao primeiro governo Lula. A conclusão desse julgamento só acontecerá depois do primeiro turno das eleições.
Apesar de termos os nervos da política e dos políticos expostos mais uma vez, temos que agradecer à democracia por podermos acompanhar esse julgamento. Quantos erros, desvios de verbas públicas e apropriações aconteceram nos anos de chumbo e não ficamos sabendo?
A Lei da Ficha Limpa foi outro avanço de nossa sociedade; lamento, porém, saber que ela não conseguiu barrar todos os candidatos com processos, porque a legislação livra quem foi indiciado e teve os inquéritos arquivados.
Nesse ponto, concordo com o procurador-regional eleitoral Maurício Ribeiro: candidatos com várias condenações, mesmo que em primeiro grau, deveriam ficar fora das eleições.
Qualquer candidato a concurso público, seja juiz, médico, professor, jornalista, deve apresentar certidões criminais de "nada consta". Por que com os candidatos a cargos eletivos seria diferente?
Como diria Gandhi, sejamos a mudança que queremos ver no mundo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário