15 de out de 2012

O reajuste do IPTU, variação de salário na saúde e o jogo de xadrez eleitoral



Hoje quero falar com vocês sobre três assuntos: reajuste no valor do IPTU, variação de salários da área da saúde e o jogo de xadrez que começou com as eleições municipais e terá influência nas eleições para o governo do Estado do Rio.

É lamentável que o prefeito Eduardo Paes, mal tendo sido eleito, já avise que voltará atrás no compromisso de não aumentar o valor do IPTU. Ele, que afirmou que não mexeria no IPTU "de jeito nenhum", alega que há defasagem nos valores do metro quadrado cobrado em cada rua. Paes disse, ainda, que vai rever o IPTU progressivo.

Pergunto: o homem público tem o direito de mudar de ideia e voltar atrás? Eu mesmo respondo: claro, se for para o bem da sociedade. É preciso saber se essa decisão do prefeito reeleito será boa para a população carioca. Esta semana vou me informar a respeito e publicarei novamente no blog. Como vereador, é minha obrigação fiscalizar suas ações e, como cidadão, continuarei de olho. Podem contar com isso.

Um fato que pode surpreender quem não é da área da saúde ou médico, como eu sou há 35 anos, além de professor de Medicina, é a variação salarial na área. Matéria do jornal O Dia publicada dia 14 de outubro, na Coluna do Servidor, informa que enquanto médicos do Senado têm salário de R$20.959, os da prefeitura do Rio recebem R$3.902: uma variação de 437%. Porém, se formos considerar a área da saúde, a disparidade pode chegar até a 524%.

Concordo com o colega Jorge Darze, presidente do Sindicato dos Médicos do Rio, que diz que os números revelam o desrespeito do Poder Executivo com os seus servidores da área da Saúde.  Estou com ele na avaliação de que a contratação de pessoal terceirizado, através das Organizações Sociais (OSs), só reforça essa distorção.

O jogo de xadrez  que definirá  os políticos que terão mais peso nas eleições para governador começou  com o resultado das eleições para prefeito e vereadores dos municípios do estado. Sérgio Cabral, o deputado federal Anthony Garotinho e o senador Lindbergh Farias movem as peças  no tabuleiro em cidades-chave onde ainda acontecerá o segundo turno. Cabral é cabo eleitoral do vice-governador Pezão, enquanto Garotinho e Lindbergh lutam por suas candidaturas.

Quem eles apoiarem, e conquistar as prefeituras de Nova Iguaçu, Duque de Caxias e São Gonçalo, por exemplo,  demonstrará a força política de cada um. Essa briga é boa e mostra como na política nada acontece por acaso. Explica porque candidatos com um 1% de intenção de votos ou que não chegam a 7% mantêm sua candidatura em detrimento de alianças. Na verdade, as conversas já estavam acontecendo...  O eleitor é que não sabia.

Um comentário:

  1. Doutor Edison, o salário líquido de um médico da prefeitura no estágio mais elevado (mais de 15 anos) é de cerca de R$ 2.700,00.

    ResponderExcluir