7 de abr de 2011

Apresentação de Estudo do Clima acontece em clima de comoção no Rio



A reunião de lançamento do Estudo sobre as Vulnerabilidades das Cidades da Região Metropolitana do Rio de Janeiro às mudanças climáticas, hoje, no Palácio da cidade, começou em clima de tristeza. Como em todo o Rio e país, o sentimento era de choque e incompreensão com o atentado à Escola Municipal Tasso da Silveira, em Realengo, onde um rapaz de 24 anos disparou contra crianças e funcionários, por volta das 8h da manhã.

De acordo com a polícia, Wellington Menezes de Oliveira atirou aleatoriamente contra as pessoas que estavam no colégio de ensino fundamental, direcionando os disparos contra a cabeça das vítimas, um verdadeiro horror. Dr. Edison da Creatinina, em conversa comigo, lembrou que lamentavelmente o tiroteio e assassinato de 11 cianças em uma escola acontece num Dia Mundial de Saúde e isso mexe com todos os cariocas e também com pais e responsáveis de qualquer lugar do mundo. Sobre isso, Caroline Spelman, ministra de Meio Ambiente, Alimentação e assuntos Rurais do Reino Unido, também presente, falou à platéia que, como mãe, não tinha como não sentir o coração partido e se solidarizar com os pais e com a nossa cidade.

A reunião seguiu com as falas do Vice-Prefeito e Secretário de Meio Ambiente, Carlos Alberto Muniz, com Carlos Nobre, prêmio Nobel e secretário de Políticas e Programas de Pesquisa e Desenvolvimento do Ministério da Ciência e Tecnologia, e Sergio Besserman, que preside a Câmara Técnica de Desenvolvimento Sustentável e de Governança Metropolitana da cidade do Rio de Janeiro. O Prefeito não compareceu, pois acompanhava os eventos do atentado em Realengo.


post de Ruth Viotti Saldanha

Nenhum comentário:

Postar um comentário